Os conceitos da cibersegurança que você e seu time devem dominar!

Dentre todas as atribuições de uma equipe de TI , a proteção dos dados da empresa é a que vem ganhando mais destaque nos últimos anos. Quanto mais valiosos eles se tornam como ativos, mais importante se torna a cibersegurança.

Se você busca conteúdo para aprimorar esse trabalho e dar confiabilidade à produtividade do negócio, preparamos um artigo que lida exatamente com esse assunto. Veja uma definição mais adequada do termo e o que ele engloba em uma gestão tecnológica mais segura. Vamos lá?

Diferenciando segurança da informação e cibersegurança

A primeira coisa que queremos fazer neste texto é dar um foco para as suas ações de proteção de dados em uma posição de gestor(a) de TI .

Quando falamos em segurança da informação, abrimos um leque enorme de riscos, possibilidades e oportunidades que podem até atrapalhar o trabalho de um profissional que quer abraçar tudo ao mesmo tempo.

Segurança da informação é o conjunto de ferramentas e práticas para defender ativos importantes da empresa de ameaças internas e externas. Isso envolve muitos aspectos de gestão, operação, produção e entrega na rotina de um negócio.

Por isso, queremos afunilar a discussão para algo em que a TI pode ter um resultado mais rápido e eficiente para todo esse escopo: a cibersegurança.

Entende-se por cibersegurança as práticas de segurança da informação que lidam especificamente com dados armazenados e/ou transitando por meios digitais. É um núcleo de monitoramento cada vez mais vital para o sucesso de negócios.

Entendendo a importância da cibersegurança

Mas por que é relevante colocar essa lupa sobre as práticas específicas da cibersegurança dentro de uma discussão maior e mais complexa?

O cenário que presenciamos hoje — com o avanço da cloud computing e a entrega de infraestrutura como serviço — aponta para uma mudança considerável no peso que a TI tem em proteger dados.

Muitas empresas estão se transformando digitalmente e, nesse processo, digitalizando completamente a sua produtividade. Com os ganhos de flexibilidade e performance que os sistemas remotos permitem, é um movimento natural e inevitável para o futuro.

É aí que entra a cibersegurança. Se todos os dados do negócio estão em ambientes virtuais e transitando entre eles diariamente, ela se torna o centro de qualquer estratégia de segurança da informação.

As atitudes que você toma hoje dentro desse escopo vão garantir mais tranquilidade e confiabilidade para a empresa — uma vantagem no aumento da produtividade interna e na percepção da marca para o público.

Conhecendo os conceitos que definem boas práticas de cibersegurança

Definida a importância da cibersegurança, você deve estar se perguntando como fazer para melhorá-la na sua TI. Esse é um trabalho de pesquisa, planejamento e estratégia, que começa por conhecer os conceitos mais relevantes. Veja quais são e por que eles importam.

Gestão de riscos

Iniciamos com o conceito que rege os outros conceitos. Gestão de segurança é diferente de práticas de segurança, e muitos gestores de TI não sabem fazer essa diferenciação.

O importante aqui é entender que não existe proteção absoluta ou solução definitiva. Um sistema seguro é aquele que diminui os seus riscos até um nível considerado aceitável para a performance da empresa.

Ou seja, ser um bom gestor de riscos é conhecer as ameaças possíveis, as tendências de ataques e se preparar para elas. É priorizar esforços e recursos nos perigos mais evidentes, mas sem perder a visão dos pequenos problemas.

Gerir riscos é gerir segurança e, como qualquer função administrativa, exige conhecimento e análise de dados , além de planejamento e execução de estratégias para mitigá-los.

Senhas e credenciais de acesso

Entendido isso, podemos passar para os conceitos mais práticos e concretos da cibersegurança. E aí fazemos uma pergunta: em um prédio com muros altos, cerca elétrica e câmeras, qual é o ponto mais vulnerável para a invasão da propriedade?

A resposta é sempre a portaria. A mesma coisa acontece em sistemas tecnológicos. Não adianta de nada ferramentas e práticas de proteção se o banco de dados pode ser acessado com uma senha “admin”.

Hoje, nem senhas fortes são suficientes, por um motivo que falaremos mais abaixo. A melhor prática nesse sentido é implementar a verificação em duas etapas, quando o usuário, além da senha, precisa usar um outro e-mail ou dispositivo para confirmar que ele mesmo está acessando.

Criptografia

Se a cibersegurança tem muito a ver com o trânsito de informações, você precisa proteger não só as pontas com senhas fortes, mas também o caminho.

A criptografia é uma tecnologia que embaralha dados que só poderão ser desembaralhados quando chegarem ao seu destino verificado.

Portanto, é uma garantia quase que total para a troca de dados quando falamos em ameaças intermediárias. O criminoso pode até ter acesso à informação, mas nunca será capaz de ler o seu conteúdo.

Redes wi-fi

Porém, a criptografia é mais comum no trânsito remoto de dados. Você sabe o risco que eles correm dentro do próprio negócio?

As redes wi-fi precisam ser um ponto de atenção para a TI. São muito úteis para a produtividade em um escritório, mas uma brecha constante para possíveis ataques.

Com um sinal forte, a WLAN pode ser acessada até de ambientes fora da empresa. Portanto, nesse caso, o mais importante é ter visão de utilização, ou seja, saber sempre quem está dentro da rede, por que e fazendo o quê.

Ferramentas de monitoramento e proteção

Esse é um bom gancho para falarmos de como softwares e ferramentas são aliados fundamentais na cibersegurança. Antivírus, firewall, sistemas de gestão , históricos de modificação, logs de dados salvos, tudo o que for possível incluir na sua gestão de segurança será um escudo a mais para dar a tranquilidade que os colaboradores precisam sem pôr em risco a sua confiabilidade.

Engenharia social

Deixamos por último um conceito que pode tornar todos os outros inúteis quando não é bem trabalhado. Do que adianta senhas fortes, softwares potentes, criptografia, se o próprio usuário entrega as suas credenciais de acesso nas mãos do criminoso?

Isso é a engenharia social, e as armadilhas de phishing são as formas mais comuns de aplicá-la. O hacker cria uma página que copia exatamente o site da empresa ou de um serviço que ela utiliza. Ele conta com a desatenção de colaboradores para capturar usuários e senhas.

É uma ação simples para eles, efetiva e muito difícil de identificar dentro da TI. Por isso, um dos pilares da segurança da informação não está nos dados, mas sim nas pessoas.

Dentro disso, no núcleo da cibersegurança, é importante colocar todos esses conceitos em prática, além de repassar esse conhecimento para os usuários do sistema. Treinamento, estratégia e comunicação são as suas maiores armas contra ameaças cibernéticas.

Curtiu o nosso conteúdo? Então siga a Positivo no Facebook , no YouTube e no Twitter !

Leave a Reply Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leave A Comment