Nuvem híbrida: entenda como adotar a Cloud corporativa

Adotar ou não a nuvem já não é mais uma questão em boa parte das empresas: os benefícios desse tipo de infraestrutura estão mais do que claros para qualquer gestor de TI ou CIO . O novo dilema agora é entender as opções disponíveis e escolher entre nuvem pública, nuvem privada e a nuvem híbrida.

Segundo a consultoria Gartner , em 2020, 90% das organizações vão adotar a opção da nuvem híbrida. A justificativa para isso é a otimização de custos e o aumento da eficiência, ainda que esse tipo de infraestrutura seja um pouco mais complexa do que outras possibilidades.

Neste artigo vamos explicar melhor como funciona a nuvem híbrida e por que é uma boa ideia se antecipar e adotar essa solução na sua empresa. Confira!

Quais são as diferenças entre nuvem híbrida, pública e privada?

A nuvem híbrida é uma utilização conjunta da nuvem pública e da nuvem privada, com o compartilhamento de dados e aplicativos entre elas. Para compreender melhor como esse tipo de infraestrutura realmente funciona, vale a pena conhecer a nuvem pública e a nuvem privada.

Nuvens públicas são todos os serviços de computação em nuvem oferecidos por terceiros, como a Amazon Web Services (AWS) e o Microsoft Azure . Eles estão disponíveis para qualquer pessoa, normalmente em planos pagos — ainda que existam opções de serviços na nuvem gratuitos, como o Google Drive .

Uma das grandes vantagens da nuvem pública é que o provedor de serviços é o responsável por todo o gerenciamento, a manutenção de hardwares e a segurança. Com isso, o serviço pode ser quase que instantaneamente implantado em uma empresa e é totalmente escalonável: só se paga pelo que se utiliza, e caso seja preciso ampliar a infraestrutura, basta investir mais.

O custo da utilização da nuvem pública normalmente é menor, já que não é preciso investir em equipamentos ou em profissionais especializados para a sua manutenção.

Outra vantagem aqui é a mobilidade : qualquer pessoa, de qualquer lugar e praticamente qualquer dispositivo consegue acessar a nuvem pública — desde que tenha as credenciais de acesso. Por outro lado, isso faz com que algumas empresas tenham uma certa desconfiança em relação à questão da segurança nas nuvens públicas.

A nuvem privada, por outro lado, é aquela oferecida em uma rede interna particular apenas para usuários selecionados. Ela também é chamada de nuvem interna ou nuvem corporativa, já que normalmente é confinada aos limites de uma organização.

A nuvem privada é capaz de fornecer benefícios como escalabilidade e elasticidade, além de permitir uma customização bem maior do que a de uma nuvem pública. A segurança dos dados aqui é reforçada pelos firewalls da empresa, além do hosting interno que vai garantir que terceiros não consigam acessar os documentos remotamente.

Por outro lado, como é necessário investir em equipamentos e uma equipe de TI dedicada à manutenção dessa infraestrutura, os custos de uma nuvem privada são muito semelhantes aos de um data center tradicional — o que pode não ser interessante para empresas que querem uma economia mais drástica em seus custos com tecnologia.

O que é a nuvem híbrida?

A nuvem híbrida é uma forma de aproveitar os benefícios de ambas as formas de nuvem com inteligência. Esse tipo de infraestrutura combina, em um único ambiente, todas as vantagens de privacidade e customização da nuvem privada com as reduções de custos e flexibilidades da nuvem pública.

Funciona da seguinte forma: ao optar por uma infraestrutura híbrida, uma empresa coloca parte dos seus serviços e dados na nuvem privada e outra parte na nuvem pública.

Transações financeiras e outras informações sensíveis, além de serviços críticos, podem ficar hospedados na parte privada do sistema, enquanto a pública recebe outros serviços e tarefas básicas que não são confidenciais.

Com isso, os arquivos mais importantes ficam protegidos pelo firewall e outras restrições de acesso, ao mesmo tempo que outros serviços podem usufruir da portabilidade da nuvem pública.

A razão pela qual a nuvem híbrida deve ser a mais popular em 2020, segundo a previsão da Gartner, é a sua flexibilidade: cada organização pode escolher uma formatação dessa mistura que seja mais adequada para as suas necessidades, dimensionando com minuciosidade suas demandas de segurança, escalabilidade e elasticidade — além, é claro, do orçamento.

Outra vantagem muito interessante da nuvem híbrida é a possibilidade de realizar o chamado Cloud Bursting.

O que é o Cloud Bursting?

O Cloud Bursting é uma estratégia para lidar com picos de demanda de TI em uma infraestrutura de nuvem híbrida. Uma vez que essa configuração é predefinida, quando o tráfego ou a utilização de uma nuvem privada chegar ao seu limite, o excedente é transportado para a nuvem pública imediatamente.

Isso impede a interrupção de serviços e garante uma espécie de redundância para a infraestrutura de nuvem de uma organização, ampliando a sua confiabilidade.

Além disso, essa é uma opção muito econômica: em vez de gastar dinheiro tentando prever a utilização de recursos e correr o risco de passar boa parte do tempo com uma capacidade desperdiçada, é possível simplesmente configurar o Cloud Bursting e somente expandir sua infraestrutura privada se o excesso de tráfego se tornar algo frequente.

Quais são as vantagens da nuvem híbrida para uma empresa?

Podemos expandir ainda mais essa discussão para outras vantagens que a TI consegue transferir no seu dia a dia para toda a empresa quando investe em nuvem híbrida. Veja quais são as principais delas a seguir.

Customização para demandas específicas

A ideia da nuvem híbrida é exatamente proporcionar mais poder de adequação na oferta de recursos do que é possível em uma cloud pública, mas sem perder sua praticidade.

O intuito é que a TI planeje e implemente um sistema privado baseado em necessidades e objetivos de crescimento do negócio em específico. Isso vai nortear o investimento em computadores, servidores, periféricos etc.

Com isso, o negócio ganha a plataforma que precisa não apenas para lidar com o presente, mas para crescer no futuro. Tendo essa preocupação, a TI se torna a responsável por uma nova fase digital e competitiva no mercado.

Segurança

O segundo ponto vital dessa solução tecnológica é a segurança. Como dissemos, a configuração mais comum da nuvem híbrida é facilitar o acesso e a disponibilidade a ativos rotineiros na cloud pública e ter mais controle sobre arquivos confidenciais e sensíveis na cloud privada.

Assim, sua empresa tem o melhor de dois mundos: consegue agilidade e produtividade com todas as ferramentas de segurança, que vão permitir um monitoramento proativo da rede e resposta rápida a qualquer ameaça potencial.

Custo reduzido

Mesmo apostando em uma nuvem privada , o custo desse tipo de estrutura é bem menor do que manter todo o sistema on-premises.

Isso acontece porque, além de contar com a parte pública da nuvem para reduzir custos, a parceria com provedoras permite que você tenha sempre uma infraestrutura atualizada, sem fazer grandes investimentos. A manutenção é bem mais simples e barata.

Performance garantida

Outro reflexo dessa atualização constante é que bons provedores de nuvem prezam pela entrega de performance acima de tudo. Isso já é verdade no modelo público e ainda mais na nuvem privada.

De um lado você vai ter a agilidade no acesso, e do outro, um link exclusivo para dados importantes. É um ganho incrível para a produtividade da empresa, tanto na própria gestão tecnológica quanto para sua realização como entrega para o cliente.

Hierarquização e controle de informações

Além da segurança, esse tipo de segmentação de informações entre nuvem pública e privada é o grande segredo para uma arquitetura inteligente de dados na nuvem híbrida.

Com esse tipo de hierarquização você consegue gerenciar melhor as credenciais de acesso e priorizar o monitoramento dos setores mais importantes do seu banco de dados.

Mais colaboração

Acesso facilitado, performance, integração e agilidade: tudo isso contribui para uma empresa inovadora e colaborativa. Quanto mais sincronizados estão os funcionários, mais eles conseguem interagir com todo o fluxo produtivo e otimizar suas próprias tarefas.

Ajuda na tomada de decisões

Não é só na produtividade que a nuvem híbrida traz inovação para a empresa. Essa colaboração entre departamentos cria uma visão mais ampla de negócios e permite a análise de dados sob vários pontos de vista para estratégias inovadoras e tomadas de decisão mais objetivas.

A nuvem é responsável por isso, e o modelo híbrido otimiza esse processo. Afinal, você tem segurança, um banco de dados customizado para suas necessidades e muito mais controle sobre como utilizar essas informações pelo bem do negócio.

A nuvem híbrida é mais complexa?

É seguro dizer que uma infraestrutura de nuvem híbrida é bem mais complexa do ponto de vista da TI do que uma nuvem pública ou privada. Como esse formato utiliza os dois serviços, é necessário ter uma compreensão das fraquezas e das vantagens de cada modelo, além das melhores formas de realizar a integração entre eles.

Outro desafio é com a compatibilidade de aplicações e serviços entre diferentes plataformas. Antes de pensar em configurar um Cloud Bursting, por exemplo, é decisivo ter certeza sobre a funcionalidade da demanda que será transferida, com testes práticos. Também é importante se certificar que nenhum tipo de dado será deixado para trás nesse processo.

Por outro lado, apesar de mais complexa, a nuvem híbrida certamente é mais eficiente em atender a demandas variadas e flexíveis de organizações, o que significa que muito provavelmente seu custo será bem menor do que o de uma nuvem privada apenas, oferecendo mais segurança do que uma nuvem pública.

Quais são as melhores práticas para lidar com nuvens híbridas?

Mesmo que a nuvem híbrida tenha seus desafios, as vantagens são muitas. Para isso, basta que a equipe de TI aposte em algumas boas práticas de gerenciamento de nuvem. Veja o que você pode fazer.

Planeje antes de implementar

Uma das armadilhas da nuvem híbrida é o fato dela contar com dois sistemas separados e que precisam ser executados como um só. Essa integração só é possível com planejamento.

Portanto, o primeiro passo é levantar suas necessidades, seu orçamento e pesquisar entre suas possibilidades qual é o melhor equilíbrio entre nuvem pública e privada — principalmente quanto você pode investir na implementação e na estrutura da sua cloud exclusiva.

Ao definir isso, você parte para a arquitetura do banco de dados: quais informações precisam ficar na rede privada, quais são mais úteis armazenadas nos servidores remotos e como será diferenciado esse acesso.

Por fim, ainda é preciso definir indicadores de performance, protocolos de interação com os dados e as ferramentas de monitoramento para medir o retorno da tecnologia e iterar constantemente no sistema. Só então a empresa está pronta para dar o próximo passo.

Envolva todos os departamentos

Com a nuvem híbrida implementada, é preciso definir termos de uso e treinar todos os colaboradores para utilizar o sistema com segurança e eficiência.

Converse com eles, peça sugestões. Mesmo das pessoas que menos entendem de tecnologia podem surgir ideias interessantes para organizar melhor os dados da empresa — afinal, elas podem não entender de nuvem, mas entendem do que faz seu trabalho ser mais produtivo.

Aposte na automação

Muitos desses processos de integração de nuvens, controle de acesso e monitoramento de segurança podem ser automatizados por meio de sistemas de gestão e softwares especializados.

A ideia é que a nuvem híbrida seja uma solução de performance, não mais um peso para a TI. Com automação , você perde menos tempo com tarefas rotineiras e pode pensar mais estrategicamente em como utilizar esse novo ativo como diferencial de negócio.

Nunca pare de investir e inovar

Apesar de ser uma solução inovadora e preparada para o futuro, a nuvem híbrida (como qualquer tecnologia) não vai se limitar ao que ela é hoje. Por isso, nossa última dica é estudar, pesquisar e avaliar constantemente o investimento que foi feito.

Busque formas novas de utilizar os softwares que você já tem dentro desse novo sistema. Analise periodicamente seus indicadores de performance para encontrar caminhos não explorados dentro da gestão e operação atual.

Mais do que isso: crie uma metodologia para manutenção e atualização da infraestrutura . Se a ideia é extrair o máximo da nuvem híbrida, a visão da TI como um setor estratégico vai transformar essa performance em resultados de negócio.

Gostou do artigo e das possibilidades da nuvem híbrida? Então compartilhe este post nas redes sociais para que outras pessoas tenham acesso às informações listadas aqui!

cloud computing

híbrida

nuvem

3 thoughts on “Nuvem híbrida: entenda como adotar a Cloud corporativa”

Datarooms.org Bom artigo, muito obrigado. Falando sobre internet e tecnologias nos dias de hoje, isso nos ajuda a viver mais confortavelmente. Como agora eu armazeno minha papelada através de datarooms virtuais. Eu sei que é seguro. agosto 30, 2017 at 7:40 am Responder

Bom artigo, muito obrigado. Falando sobre internet e tecnologias nos dias de hoje, isso nos ajuda a viver mais confortavelmente. Como agora eu armazeno minha papelada através de datarooms virtuais. Eu sei que é seguro.

Datarooms.org Bom artigo, muito obrigado Falando sobre internet e tecnologias nos dias de hoje, isso nos ajuda a viver mais confortavelmente. Como agora eu armazeno minha papelada através de datarooms virtuais. Eu sei que é seguro agosto 30, 2017 at 7:56 am Responder

Bom artigo, muito obrigado Falando sobre internet e tecnologias nos dias de hoje, isso nos ajuda a viver mais confortavelmente. Como agora eu armazeno minha papelada através de datarooms virtuais. Eu sei que é seguro

Cicero j Silva Al os meus amigos .eu tambem sei estala eu fiz esse curso e muito bom e isso muito bom . novembro 4, 2017 at 5:50 pm Responder

Al os meus amigos .eu tambem sei estala eu fiz esse curso e muito bom e isso muito bom .

Leave a Reply Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leave A Comment